segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Último vôo do corvo



Não olha pro céu,

não te procura mais,

Mas vê as penas negras caídas perto de seu jardim.



Uma cúmplice do tempo

Que já não ouve o respirar em cada fim de manhã.

E que sussurra: Só te percebo em pensamento.

Um comentário:

Pauline Machado disse...

Vixiiii, entendi perfeitamente!!!!